12 de novembro de 2020

Reflorestamento faz parte das ações do Sesc Guaxuma

A Unidade, localizada no Litoral Norte da capital, possui 35 hectares de Mata Atlântica na região que cresce no setor imobiliário

A cada ano aumentam os alertas para as consequências do aquecimento global e os prejuízos da urbanização desordenada a partir do desmatamento. O ano de 2020 foi marcado por grandes incêndios florestais em vários países, inclusive no Brasil. A questão ambiental integra a pauta de prioridades do Sesc. Desde 2018, a instituição desenvolve ações intensificadas de reflorestamento, no Sesc Guaxuma, que dispõe de uma área de 35,7 hectares de Mata Atlântica, próxima a uma área que tem crescido no segmento imobiliário.

Em paralelo as ações de reflorestamento, o Sesc conscientiza a comunidade por meio de projetos já existentes, a exemplo do “Jogando e Aprendendo a Viver”, com crianças e adolescentes, e “Conversando Sobre Saúde”, com mulheres. Ambos os projetos são realizados com moradores do Litoral Norte de Maceió. Roda de conversas, oficinas com materiais reciclados, viagens e passeios para Áreas de Proteção Ambiental (APA’s) e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN´s), trilhas ecológicas, plantio de mudas e palestras com biólogos e profissionais da área; refletem o empenho do Sesc em preservar o meio ambiente adotando a conscientização e apostando no comportamento das gerações futuras ao tratar a situação como uma questão cultural.

A Unidade Guaxuma tem uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), que faz parte das medidas de responsabilidade ambiental. A ETE é capaz de realizar o processamento dos efluentes sanitários, coleta, tratamento e destinação. O resíduo tratado é utilizado para lavagem de calçadas, recuperar áreas degradadas e regar grama, hortas e hortaliças.

O gerente da Unidade Sesc Guaxuma, Apolinário Júnior, entende que a população que vive ao redor da área de reflorestamento é a principal aliada para a preservação da Mata Atlântica. “Considerando a recente expansão imobiliária na região norte de Maceió, a área protegida pelo Sesc passa a ser, cada vez mais, um refúgio para espécies de animais e vegetais. Só com auxílio da comunidade poderemos garantir uma maior estabilidade do terreno”, afirma Apolinário.